Porque usar câmeras WiFi e 5 erros comuns


As câmeras WiFi trazem uma série de benefícios: fácil instalação, mobilidade dentro e entre localidades, redução do custo de instalação ( não usa cabos de rede) e redução dos custos de manutenção ( não tem cabos que poderiam ser rompidos ou afetados por humidade ao longo do tempo)

Apesar de serem de fácil instalação, vale lembrar que muitos profissionais pecam em alguns aspectos desse procedimento, resultando em um projeto de segurança desastroso ou pouco eficiente. 

Também existe um pré-conceito de que câmeras WiFi não funcionam bem por justamente o WiFi não ser confiável. Este é um conceito equivocado e vamos explicar neste blog.

A importância de câmeras wireless nos projetos de segurança eletrônica inteligente

Não há como negar as qualidades das câmeras wi-fi! Afinal de contas, estamos falando de dispositivos pequenos, discretos, eficientes e, sobretudo, acessíveis à ampla maioria do público consumidor. Com o passar dos anos, essas câmeras têm conquistado clientes;

Lojas comerciais, escritórios pequenos ou mesmo armazéns podem se beneficiar da versatilidade dessas câmeras.

A versatilidade de instalação junto com uma gravação em nuvem permitem até uma economia com gravadores locais mas o uso de gravação local e na nuvem podem ser também uma grande vantagem dependendo do tipo de comércio ou residência;

Os principais cuidados no momento de instalar câmeras wi-fi

Então, você apresenta um projeto de segurança eletrônica para o seu cliente que, satisfeito, solicita a instalação. É nesse momento que você deve arregaçar as mangas e elaborar um planejamento consciente, discutindo os quatro principais fatores para o sucesso desse projeto:

  1. o posicionamento das câmeras e bem como o ângulo de abertura da câmera;
  2. a segurança dos dispositivos e não só física mas também a cibernética;
  3. a acessibilidade remota com aplicativos com criptografia e seguros;
  4. a quantidade ideal em função das características técnicas e objetivos de segurança.

Aqui é importante perceber que ao negligenciar qualquer um desses critérios você estará prejudicando o projeto, seja por meio de vulnerabilidades (poucas câmeras e/ou mal posicionadas) ou inconveniências, como a dificuldade em reivindicar a senha ou o acesso remoto que devem seguir através de um sistema automatizado e não por um técnico e que o próprio cliente possa auto solicitar a senha. Sendo assim, acompanhe as orientações abaixo para garantir a entrega de um serviço à altura da sua competência.

1. Posicionamento

Tal como na cinematografia, o posicionamento das câmeras vale ouro! Você, precisa ter uma atenção minuciosa com esse detalhe, garantindo que a câmera esteja situada em uma posição que ofereça boas especificações de ângulo, altura e exposição, conseguindo assim, proporcionar o melhor campo de visão por câmera instalada.

Como exemplo, veja algumas dicas fundamentais nesse quesito:

  • priorize as posições mais altas mas não coloque nos cantos das paredes pois o infra-vermelho poderá ofuscar a câmera. Um erro muito comum pois no passado era informado aos técnicos para justamente colocar nos cantos para mitigar a deficiência das câmeras que tinham um ângulo de 60 a 70 graus de visão
  • apesar disso, não direcione a câmera diretamente ao chão, mas sim, em um meio termo entre o ponto mais distante do ambiente e o imediatamente abaixo do dispositivo aqui também vai depender do ângulo de visão horizontal e vertical;
  • evite direcionar a câmera para fontes de luz, já que isso prejudicará a captação das imagens tão logo o sensor absorver a luminosidade.

Finalmente, observe o sinal de wifi na posição junto à câmera colocando o seu smartphone como uma forma básica de teste. Para uma situação mais elaborada utilize aplicativos que mostram a intensidade dos sinais WiFi e você pode usar no smartphone ou mesmo em um laptop. Não utilize em hipótese alguma repetidores de sinal WiFi, embora sejam baratos, eles não atendem a demanda de transmissão de vídeo e trazem mais problemas do que soluções; Consulte uma empresa especializada para orientar com sistema WiFi-Mesh ou mesmo sistema inteligentes de WiFi;

2. Segurança

Via de regra e em sistemas legados a segurança se resume em senhas de acesso e na verdade não deveria ser. O técnico que fez a instalação não deveria ser responsável em criar senhas para os usuários e clientes e isso é um indicativo de um sistema fácil de ser invadido e hackeado. Sua privacidade não existe em sistemas assim. Acreditem, estes são 98% dos sistemas instalados hoje e que não se importam com segurança cibernética e nem controle de acesso por sistemas automatizados. Escolha um sistema que tenha as senhas com gestão pelo próprio cliente e que um sistema informatizado controle o acesso de forma automatizada. Acredite, o cliente vai esquecer a senha, e se um sistema permite que o próprio cliente solicite uma renovação de senha de forma automática e com dois passos para autenticação do cliente você terá maior segurança. Além disso as câmeras WiFi necessitam de criptografia nativa na transmissão das imagens e principalmente sobre uma rede WiFi onde há uma grande vulnerabilidade para os hackers. Você não quer perder a sua privacidade não é mesmo ? Sem saber qual foi a última vez que um técnico entrou na sua câmera? não mesmo!

3. Acessibilidade

Se o cliente chega até você com a intenção de instalar câmeras wi-fi, esteja certo de que ele está procurando pela maior funcionalidade desse dispositivo: o acesso remoto! Então, logo a um primeiro momento você deve identificar esse desejo do seu cliente e orientá-lo em direção aos produtos que ofereçam essa praticidade mas com privacidade.

Pensando nisso, você pode apresentar soluções que permitam o monitoramento por meio de navegador Web utilizando criptografia, como o Chrome, Safari ou Edge. Para além desses exemplos, já existem câmeras wi-fi que permitem o acesso diretamente por um aplicativo com criptografia, entregando a maior de todas as comodidades ao cliente, que poderá monitorar sua casa, escritório ou afins diretamente de seu smartphone.

4. Quantidade

Por último e não menos importante: a quantidade desses equipamentos! Esse critério é, inclusive, um apêndice do fator posicionamento, pois perceba que quanto melhor o posicionamento das câmeras, menor será a necessidade de um grande número delas. Mas para todos os efeitos, o seu projeto não deve pecar pela falta de equipamentos — a menos que essa seja uma restrição financeira.

Sobretudo, vale lembrar de um curioso estudo realizado pela University of North Carolina, que apontou alguns insights importantes sobre a percepção criminal em relação aos fatores que dificultam e impedem um ato:

  • a proximidade com outras pessoas, no formato de pedestres, vizinhos, policiais e circulação de veículos;
  • a falta de rotas de fuga;
  • a presença de soluções de segurança, como alarmes, câmeras externas, cães, grades e afins e com inteligência artificial e reconhecimento de objetos do tipo animais, pessoas e veículos
  • cerca de 60% dos transgressores indicaram que os indícios de equipamentos de vigilância e segurança eletrônica os faziam procurar alternativas menos monitoradas 

 

Portanto vamos lá para os 5 erros comuns no uso de Câmeras WiFi:

1) Não usar Criptografia no aplicativo, no navegador e nem nas câmeras;

2) Não separar as redes WiFi de Clientes para câmeras e outra para acesso Internet e usar repetidores de sinal WiFi;

3) Não usar câmeras com gravação em nuvem com criptografia, e sem controle de acesso automatizado para gestão de senhas;

4) Ignorar os aspectos de abertura das lentes na forma horizontal e vertical e colocar as câmeras nos cantos das paredes;

5) Não utilizar câmeras com sensor de presença que utliza o reconhecimento de pessoas, animais e veículos para enviar clips dos eventos quando eles ocorrem. Um sistema inteligente com esta funcionalidade ajuda no momento que está ocorrendo o evento e não apenas depois do fato. O depois do fato não resolve o problema pois os criminosos já sabem que não serão penalizados!

Boa Sorte!

 


Deixe um comentário


Observe que os comentários precisam ser aprovados antes de serem publicados